Nossa História

Fundado em 1987, com o nome de Escola de Educação Infantil Bambalalão, o Colégio Santa Bárbara, hoje, é constituído por três unidades de ensino. A Unidade I atende os alunos da Educação Infantil, Unidade II, os alunos do Ensino Fundamental 1° ao 9° ano e Unidade III alunos do Ensino Médio; atendendo ao todo mais de quinhentos alunos.

São 34 anos de existência, tudo sempre foi pensado com muito carinho para fazer do aprendizado um caminho seguro, tranquilo e prazeroso. Os alunos têm a disposição todos os recursos para transformar curiosidades em conhecimento, conhecimento em experiência e experiência em desenvolvimento e consolidação da consciência ética e moral.

PROPOSTA PEDAGÓGICA

A Proposta Pedagógica permite, ao mesmo tempo, ser ela um eixo de criatividade e de controle das ações empreendidas no interior da escola, possibilitando a construção de uma identidade própria à instituição de ensino, baseada na reflexão e na seriedade- caminho necessário para a conquista da qualidade.

A importância política da proposta pedagógica centra-se na possibilidade de uma maior integração dos componentes curriculares, na maior integração dos docentes entre si e com a comunidade e, consequentemente, uma maior aproximação com os objetivos da aprendizagem. Antes praticamente todas as normas e princípios provinham dos órgãos executivos e normativos externos à escola, no entanto, agora, boa parte das decisões em torno do currículo da escola ficam no âmbito do coletivo dos professores e com eles a responsabilidade do controle da ação pedagógica e de seu ato criativo.

A argumentação precedente batiza nossa decisão no momento em que propomos as diretrizes do Projeto Pedagógico do Colégio SANTA BÁRBARA, no ato de sua criação. Nossa escola, o município onde ela se situa e as famílias dos nossos alunos demandam um fazer pedagógico diferenciado, onde tenha lugar o compromisso de formar o homem necessário ao profissional necessário. Formar o homem e o profissional necessário significa estar atento para o desenvolvimento de uma série de competências: cognitivas, afetivas, políticas, éticas e também estéticas. A proposta de projeto pedagógico de nossa escola é, portanto, uma proposta mais complexa, que vai além dos limites da racionalidade cognitiva e se estende para as dimensões do convívio democrático, baseado no valor da dignidade e da autonomia do sujeito e de sua coletividade.

Desta forma, partindo do pressuposto de que educação é o processo de inserção do sujeito no mundo da cultura e de que ambas são recíprocas e complementares por constituírem-se e desenvolverem-se na relação do homem com o mundo, não é demais deixarmos clara nossa intencionalidade em propiciar o desenvolvimento de um complexo de atividades pedagógicas capazes de transformar os sujeitos do conhecimento, inferindo qualitativamente nos seus processos de aprendizagem.

Insistimos, assim, na aposta de uma visão de educação que retome a sua significação de instrumento de transformação dos sujeitos, o que demanda a construção de um conjunto de meios e recursos que orientarão o processo de aprendizagem.